Análises

VENOM

Uma simbiose de dois falhados poderá salvar o planeta?

E lá me encontro eu em maus lençóis a dar a review deste filme. Os críticos avaliam este filme quase como um desastre, o público até que acha interessante, e, possivelmente, os FanBoys devem achar esplêndido. É tudo uma questão de opiniões não é verdade? Pois, a minha sobre este filme é certamente melhor que a última que vos trouxe. Apesar de ser seguidor atento da Marvel tenho que admitir que o Spiderverse sempre me passou um pouco ao lado e não conheço muitos dos seus vilões, ou anti-heróis, como é o caso de Venom. Mesmo assim meti-me na sala de cinema à espera de um bom filme. Mas claro, não me podia esquecer que a produtora deste filme é a Sony, pelo que as minhas expectativas estavam um pouco mais baixas que um filme de super-heróis da Marvel.

Sem querer avançar muito sobre o filme vou dividi-lo em duas partes e falar um pouco de ambas em separado. A primeira parte do filme, até próximo do intervalo, começa lento e apresenta os seus personagens. Para quem é um Leigo no Spiderverse, ou que gosta de personagens bem apresentadas, até que não é mau e torna-se interessante de conhecer um pouco mais da personalidade de Eddie Brock. Já a segunda parte é um misto de ação com uma narrativa simplista e previsível que me deixou num misto de emoções. No geral a Sony, como produtora de filmes, provou o que esperava. Uma produtora sem estofo para filmes que apresentam um entusiamos extra à sua volta. Mas não precisam de excluir já o filme da vossa lista. O facto de não ter estofo não quer dizer que não consegue fazer com que se passe um bom tempo assistindo um filme com alguma qualidade. A interpretação de Tom Hardy como Eddie Brock foi soberba. Do pouco que conhecia da sua personagem, e fiquei a conhecer, Tom Hardy encaixa na perfeição. A ligação Eddie e o alter-ego Venom foi muito bem exposta e explorada, além de muito engraçada de se ver. Já no revés da medalha, foi péssimo de ver a relação de Anne Weying, interpretada por Michelle Williams, e Eddie Brock, de Tom Hardy. Para um suposto casal no início e, apesar de muito confuso direi amigos, no final não apresentaram qualquer tipo de afinidade ou intimidade nas vezes que contracenaram. Falando daquilo que a grande parte espera que esteja a um bom nível, o CGI. Eu gostei bastante do CGI do filme, os simbiontes estão bem trabalhados, as transformações muito bem conseguidas. O único problema foi mesmo aquela batalha final que foi um pouco exagerada e um pouco confusa. No próximo filme espero que trabalhem um pouco melhor a história mas que mantenham, ou melhorem, o nível de CGI apresentado. Venom, a par de Deadpool, parecem muito promissores como anti-heróis, no cinema, tendo o primeiro apenas o problema de ser produzido pela Sony. Não saiam antes dos créditos finais pois tem cenas intermédias e um pequeno trailer da animação de Spider-Man no final.

Não foi o melhor filme que já vi e a falta de uma narrativa interessante chateia-me um pouco mas é um filme agradável e divertido e o PG-13 apresentado parece-me bem escolhido apesar de não ter nada de chocante algumas atitudes e escolhas podem ser duvidosas.

Venom

0.00
6

Nota final

6.0/10

Prós

  • Tom Hardy em excelente plano
  • CGI Bem conseguidos e trabalhados

Contras

  • Historia um pouco previsível, e confuso em relação à relação de Anne e Eddie
  • A velocidade do filme não é constante, começa lento e termina demasiado rápido e com poucas explicações que foram exageradas atrás
Previous post

Trust Duet [Earphones wireless]

Next post

Razer lança o tão aguardado Razer Panthera EVO

Paulo Castro

Paulo Castro

Cargo: 3D Print R&D
Naturalidade: Vila do Conde
Licenciado em Engenharia Mecânica pelo ISEP e com Grau de Mestre em Engenharia Mecânica, com especialização em Automação, na FEUP. Gosto de aprender coisas novas e por essa razão estou sempre à procura de algo novo para fazer. Tendo a oportunidade de adquirir uma impressora 3D não hesitei e desde então tenho explorado tudo este novo mundo.