AnálisesPeriféricos

Trust TKM-350 [Conjunto teclado + rato]

Recentemente testei o conjunto de teclado e rato sem fios da Trust TKM-350 e fiquei muito surpreendido pela positiva em vários aspetos que vou passar a descrever.

Para um conjunto a rondar os 25€ em média (alguns sítios têm o produto a menos de 15€), tanto o teclado como o rato têm um aspeto muito simples, de plástico rijo suave e um tamanho que se adapta a qualquer tipo de secretária. O silêncio é a palavra principal que no meu ponto de vista definem este modelo, pois é quase imperceptível de ouvir, quer seja o teclado ou os botões do rato. Como estou habituado a um teclado e rato ruidosos, o silencio deste conjunto fez me inicialmente confusão, mas no bom sentido, porque já não me recordava como era escrever sem o barulho ser audível em toda a casa.

Ambos funcionam a pilhas AAA, o que ajuda a serem mais leves, do que com bateria. Por outro lado, obriga a compra de pilhas com regularidade. Ambos são ligados através de um receptor USB, que como habitualmente acontece em outros conjuntos, está armazenado no rato, perto das pilhas e a compatibilidade é extremamente simples, bastando apenas ligar a uma porta USB, não existindo necessidade de instalar nenhum controlador. Como uso Kubuntu, uma distribuição Linux, liguei o receptor e ficou logo a trabalhar. Em alguns momentos, notei atraso na escrita e no funcionamento do rato, mas suspeito que seja devido à distancia a que estou do receptor, o que considero ser normal. Quando os mesmos ficam durante alguns minutos sem uso, os primeiros toques não funcionam, só após a segunda vez de carregar em alguma tecla.

Teclado

O teclado visualmente não é bonito, pelo menos no meu tipo de gosto, sobretudo se olharmos para a época que vivemos, em que as luzes rgb já fazem parte de quase todos os teclados. Em contrapartida depois de começar a escrever, a sensação é tão boa, e o visual rapidamente é esquecido.

Rato

Particularmente gostei bastante do rato: tem um tamanho pequeno, fazendo com que para o meu gosto e mão, se adapte perfeitamente, visto que tem uma ligeira curvatura na lateral onde fica o dedo anelar e o polegar, criando um sensação de repouso. Também tem um botão de controlo de DPI’s, que no meu caso em particular não me é importante.

Público alvo

Assim como qualquer outro conjunto de teclado e rato, existe sempre um objetivo e um publico alvo, e este não é exceção.  É um conjunto direcionado para quem não pretende gastar muito dinheiro, e procura um conjunto silencio, confortável e sem fios. Não é de todo para um publico jovem nem para gaming.

Conclusão

O Trust TKM-350 é um conjunto com uma construção muito satisfatória: a sensação de escrita silenciosa e o conforto do rato são os fatores que considero mais fortes. A escolha das pilhas, ajuda ao conjunto ser mais leve e económico a curto prazo, mas a longo termo vai obrigar a ter sempre pilhas em stock ou recarregáveis preparadas a entrar em acção. Tenho pena deste não ter uma luz branca simples apenas em todas as teclas, o que ajudaria na escrita com luz apagada, mas como o publico alvo é para escritório, diria que é um bom conjunto.

Trust TKM-350

13.80€
8.3

Desempenho geral

9.0/10

Peso

9.0/10

Multimédia

8.0/10

Conforto/Ergonomia

9.0/10

Design

7.0/10

Tecnologias

8.0/10

Qualidade de construção

8.0/10

Prós

  • Funcionamento silencioso
  • Rato é confortável para trabalho de escritório
  • Teclado com boa sensação na escrita

Contras

  • O acordar depois de inatividade não é instantâneo
  • Não ter retro-iluminação
Previous post

Synology lança o novo router doméstico WRX560

Next post

This is the most recent story.

xpect

xpect

Cargo: Linux Guy
Naturalidade: Lisboa

O meu nome é André Paula, tirei um curso Técnico Profissional de informática com especialização em manutenção de hardware, na Escola Profissional de Setúbal.

Considero-me curioso e autodidata em especial no ramo informático. Gosto de aprender coisas novas e estar sempre atualizado com as novidades tecnológicas.

Relativamente ao Linux, o meu primeiro contato foi na escola, tendo aprendido os comandos básicos, criação de boot pens e recuperação de sistemas windows via linux. As distribuições que usei inicialmente foram o Ubuntu, o Kurumin e o Mandrake (já descontinuados), mas não dei continuidade depois de terminar o curso, talvez por falta de incentivos, não sei.

Depois de uns bons anos, voltei a experimentar uma distribuição Linux, que na altura foi Ubuntu 12.04 e apartir dai até hoje.

Portanto, todos os videos, artigos e podcast que faço, têm como objetivo ensinar e mudar mentalidades, mudar a forma como as pessoas em geral encaram o Linux e mostrar que existem alternativas ao que é tradicionalmente usado. Este percurso foi o que me levaram a fundar o LinuxTech.pt - https://linuxtech.pt/