AnálisesJogos

Need for Drive – Open World Multiplayer Racing

Introdução

Data de lançamento: 17 de fevereiro de 2021

Plataformas: PC e MAC

Desenvolvedor: Success Games

Preço: 0.79€ na Steam

Descrição: Need for Drive é um jogo Indie em formato Open World que vos trará muita nostalgia dos jogos Underground da saga Need for Speed. A Success Games aposta no conceito desta fase dos jogos de corrida casuais neste seu mais recente título.

Metodologia

Género: Corrida, Indie

Modo: PVE, Massive Multiplayer

Condição de vitória: Jogar durante 4 horas.

Gameplay Overview: O jogo tem um arranque um quanto bruto, em que escolhem um carro com os créditos existentes, havendo modelos pagos ou oferecidos após anúncios (que não funcionam) e vão logo para as ruas. Ao contrário de Need for Speed que nos entrega uma história sobre rodas interessante, Need for Drive não tem nada disso.

Gráficos & Som

Para compreenderem a dinâmica do jogo, os seus gráficos, som e jogabilidade. Curiosos pelos nossos primeiros minutos de jogo?

Análise

A física dos carros não é o arcade convencional, com várias opções mais voltadas para o drift, sentindo o carro mais vezes aos peões. Os gráficos são um Underground atualizo com reflexos, mas fraquinho nas texturas e muito mais nas superfícies mate, perdendo totalmente a definição.

Interface: Aparenta ser minimalista mas na realidade é muito confuso, não é possível alterar as teclas ou sequer saber quais são. Várias coisas não acontecem mesmo depois de clicar em na tecla certa, como se faltasse ligarem a ação ao pedido.

História: Não existe qualquer envolvência num modo história.

Comunidade: Não existe e não conseguimos encontrar a página do desenvolvedor.

Sensação de Recompensa: Perdi bastante a vontade de continuar a jogar nas primeiras corridas. Muitas opções não funcionam, existem vários bugs e situações mal implementadas. Se os gráficos fossem atuais, com a personalização atual dos carros seria já interessante para em modo de foto capturar algo interessante, mas até isso não funcionou bem.

O que mais gostamos: Em termos de personalização e alterações ao carro para performance na oficina, o jogo vai mais além do que o Need for Speed em que se inspira.

O que menos gostamos: O GPS, a IA adversária, os gráficos mal balanceados e não dar para alterar os controlos ou saber quais são.

Conclusão

Need for Drive é um jogo inspirado em Need for Speed Underground, mas com sérios problemas de finalização e implementação. A jogabilidade é capaz de irritar um anjo, e nos arrancar toda a nostalgia de reviver o sucesso de Underground em moldes modernos. Parece um jogo desenvolvido para plataformas portáteis que acabou exportado para PC, sem adaptar nada, havendo botões que nada fazem mas prometem muito. Se estivesse um Alpha, talvez fosse possível acreditar neste jogo, neste estado, não recomendamos.

Need for Drive - Open World Multiplayer Racing

0.79€
6.1

História

5.0/10

Gráficos

6.0/10

Jogabilidade

6.0/10

Otimização

6.0/10

Longevidade

6.0/10

Cinemática

7.0/10

Música

7.0/10

Prós

  • Permite muita personalização
  • Alguma nostalgia aos jogos NFS Underground

Contras

  • Gráficos mal desenvolvidos
  • Bugs e jogo por terminar
Previous post

Motorola defy - O primeiro rugged da marca

Next post

NZXT lança microfone Capsule e apoio Boom Arm

Luís Alves

Luís Alves

Cargo: Fundador & CEO
Naturalidade: Santa Maria da Feira

Atualmente no 5º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica na FEUP (especialização Automação), licenciado em Engenharia Mecânica pelo IPV.

Sou o moda’a’foca original, um dos guru do modding e tecnologia em Portugal. Desde novo autodidata, sempre gostei de criar, inventar e inovar. Na base tecnológica gosto além do modding, de sistemas de refrigeração a água, hardware e um novo fascínio pela impressão 3D. Considero bastante importante a partilha de conteúdos e conhecimentos.

Desde Abril de 2014 podem também me encontrar na Rubrica PLUG da revista PCGuia todos os meses. Em Julho de 2017 fundei as Hashtag Dondoca, um projeto de Lifestyle no feminino em português onde sou director artístico.