AnálisesJogos

Huntfeast – Caça aos lobisomens

Introdução

Data de Lançamento: 20 de junho de 2021

Plataformas: Windows

Desenvolvedor: Misanthrope, Misvnthrope

Preço: 13,29€ (em desconto a 11,29€ na Steam)

Descrição: Esta aventura da Misvnthrope coloca-te na pele de um caçador na floresta de Lovengrad, onde monstros de fábulas procuram por ti e dominam a região, numa atmosfera de cortar a respiração. O ano é 1620, mas um engenheiro de nome Igor cede-vos poderosas armas do século 19 para ajudar a vossa jornada. Como é que ele as tem? Não sabemos.

Metodologia

Género:  FPS, Aventura, Acção

Modo: PVE e Coop

Condição de Vitoria: Jogar durante 4 horas (Early Access)

Gameplay Overview: Lobisomens são o principal inimigo na região, onde o som é a vossa principal ajuda na caçada. Há um modo co-op, mas na nossa jornada aventuramo-nos sozinhos no meio do mato com nervos de aço e uma arma enferrujada em mãos. O jogo é de missão linear, atualizando o próximo objectivo no ecrã do lado esquerdo e no mapa a direção deste.

Gráficos & Som

Os nossos primeiros minutos no jogo:

Análise

Interface: Rudimentar, entre o minimalista e o por terminar. Algumas secções precisam mesmo ser refeitas para se considerarem prontas. Felizmente o jogo funciona sem estes detalhes concluídos, mas o jogo melhoraria muito com uma interface mais refinada.

História: Os inimigos que encontram fazem parte das mais habituais fábulas e os problemas, típicos do século 17. Vão navegando pela floresta, num som bem trabalhado e bem preparado para um FPS com ligeiro terror e alguns saltos, mas nada ao nível de outros jogos do género. Há pequenas cartas e locoção dos acontecimentos, que preenchem bem a cena sem serem brilhantes.

Comunidade: Muito pequena. Seria mega útil um Discord para o jogo e uma maximização do co-op.

Sensação de Recompensa: Vamos de tarefa em tarefa porque o sistema nos obriga e com pontos exatos de missão, sem um objectivo mais vago que nos coloque em verdadeira caçada. Quando se morre as primeiras vezes é bastante desesperante ter de começar na tenda inicial, especialmente porque não sabemos se tudo é inimigo ou algures há um amigo para se juntar a nós.

O que mais gostamos: A atmosfera e o som são envolventes e os lobisomens mais simples são assustadores o suficiente. A forma como os vários monstros morrem é bastante cinemática.

O que menos gostamos: Vários bugs e muitas secções com caminhadas longas sem acção. O jogo está a receber atualizações a cada 3 semanas, e pode ser que corrigam estas situações.

Conclusão

Huntfeast é um jogo de terror em modo FPS onde caçam os mais básicos tipos de monstros de fábulas. A aventura acontece entre covis, florestas, pequenas aldeiras, castelos e pantânos, onde o som e uma próxima missão é tudo o que têm para progredir. Não é graficamente brilhante, com algum trabalho que pode ainda ser desenvolvido para o melhorar, mas tem já animações bem desenvolvidas, especialmente associadas aos lobisomens. Para uma pequena equipa não é um mau trabalho e foi divertido jogar durante esta fase que ainda considero Early Access.

Amostra cedida por Keymailer

Huntfeast

13,29€
7.6

História

7.0/10

Gráficos

7.0/10

Jogabilidade

7.0/10

Otimização

7.0/10

Longevidade

9.0/10

Cinemática

8.0/10

Música

8.0/10

Prós

  • Bom ambiente
  • Não é demasiado aterrorizante
  • Simples e direto ao assunto

Contras

  • Vários bugs no jogo
  • Nem todos os conteúdos estão balanceados na sua qualidade
  • Morrer as primeiras vezes é atroz
Previous post

Synology DS220+ [NAS]

Next post

DeepCool anuncia o apoio para placas gráficas ST500 ARGB

Luís Alves

Luís Alves

Cargo: Fundador & CEO
Naturalidade: Santa Maria da Feira

Atualmente no 5º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica na FEUP (especialização Automação), licenciado em Engenharia Mecânica pelo IPV.

Sou o moda’a’foca original, um dos guru do modding e tecnologia em Portugal. Desde novo autodidata, sempre gostei de criar, inventar e inovar. Na base tecnológica gosto além do modding, de sistemas de refrigeração a água, hardware e um novo fascínio pela impressão 3D. Considero bastante importante a partilha de conteúdos e conhecimentos.

Desde Abril de 2014 podem também me encontrar na Rubrica PLUG da revista PCGuia todos os meses. Em Julho de 2017 fundei as Hashtag Dondoca, um projeto de Lifestyle no feminino em português onde sou director artístico.