AnálisesJogos

Duel on Board – Piratas pixelados

Introdução

Data de Lançamento: 4 março 2021
Plataformas: Nintendo Switch, Microsoft Windows, macOS
Desenvolvedor: rebel rabbit
Preço: 6.59€ (Steam)
Descrição: Arghhh! Hora dos piratas se divertirem! Em Duel on Board, um jogo com versão singleplayer ou multiplayer (dividindo o mesmo teclado), são vários os mini jogos que exploram os dois principais objetivos de um pirata: beber cerveja e não tomar banho no mar. No vídeo de hoje exploramos os vários mini jogos que o jogo inclui, na dificuldade mais baixa!

Metodologia

Género:  Indie – Casual – Tiro
Modo: PVP ou PVE
Condição de Vitoria: Beber mais cerveja e não cair ao mar.
Gameplay Overview: O mundo de Duel on Board é muito simples, pixelado e com tudo o que o mundo pirata tem direito: cerveja, futebol e lutas (parece que temos uma clara inspiração em piratas portugueses). Os vários mini jogos são diferenciados e divertidos, todos partilhando as mesmas quatro teclas direcionais, que tanto parecem poucas para tanta diversão, como muitas para tanta agitação (marítima e até extraterrestre).

Gráficos & Som

O nosso gameplay dos vários modos do jogo:

Análise

Interface: Os menus são simples, sem grandes explicações em formato “aprende marujo”. Falta sem dúvida um tutorial de cada modo, especialmente para conseguir enfrentar o PVE nos níveis mais elevados.
História: Pirata não tem passado, vive para a próxima cerveja, uma de cada vez. Aqui é igual.
Comunidade: Não existe mas seria muito importante um modo PVP online.
Sensação de Recompensa: O jogo confia em nós para escolher a pessoa certa no PVP local e isso estraga tudo. Ter de dividir teclado é injusto, especialmente quando um tem acesso a teclas direcionais simples mas o outro tem se interpretar o WASD. Acreditem, faz a diferença e é anti climático ver boas jogadas do nosso adversário serem colocadas em check por este “delay” de diferença de input.
O que mais gostamos: O visual pixelado, o carisma e o conceito de cerveja como troféu é bastante divertido.
O que menos gostamos: Não existindo explicação das batalhas de forma fácil, introduzir novos amigos no PVP não tem muita piada, é como chamarmos alguém para jogar um jogo que inventámos. Os entraves adicionais como gelo, trovões e extraterrestres podiam ser utilizados como tutorial e mini modo de história.

Conclusão

Duel on Board é um jogo refrescante de batalhas pirata por uma cerveja e roupa seca, mas cujo modelo PVP é a sua verdadeira perna de pau: pequenas decisões locais podem enfiar rapidamente o jogo no baú. O visual é maravilhoso, a música cumpre a função mesmo sem se destacar mas é fundamental um bom tutorial ou mini modo de história para preparar os piratas para a jornada. Um modo PVE online poderia ajudar imenso o jogo a se afirmar como um bom entretenimento entre amigos.

Duel on Board

6.59
7.9

História

6.0/10

Gráficos

9.0/10

Jogabilidade

8.0/10

Otimização

8.0/10

Longevidade

7.0/10

Cinemática

9.0/10

Música

8.0/10

Prós

  • Bons mini jogos
  • Divertido para PVP
  • Gráficos e animações

Contras

  • Sem tutorial
  • PVE desbalanceado
  • Pode ficar aborrecido rapidamente
Previous post

Sockventure - Aventuras na máquina de lavar a roupa

Next post

M.A.R.S - Closed Beta [Videojogo]

Luís Alves

Luís Alves

Cargo: Fundador & CEO
Naturalidade: Santa Maria da Feira

Sou o moda’a’foca original, um dos guru do modding e tecnologia em Portugal. Desde novo autodidata, sempre gostei de criar, inventar e inovar. Na base tecnológica gosto além do modding, de sistemas de refrigeração a água, hardware e um novo fascínio pela impressão 3D. Considero bastante importante a partilha de conteúdos e conhecimentos.

Desde Abril de 2014 podem também me encontrar na Rubrica PLUG da revista PCGuia todos os meses, a escrever sobre modding, refrigeração a água, pc build e overclocking.

Em Julho de 2017 fundei as Hashtag Dondoca, um projeto sobre saúde mental, agricultura, minimalismo e sustentabilidade, onde sou diretor artístico.

Atualmente no 5º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica na FEUP (especialização Automação), licenciado em Engenharia Mecânica pelo IPV. Trabalhei durante 6 anos como Engenheiro de Processo na área de semicondutores, para clientes no mercado automóvel e de consumo.