CinemaCultura

The Platform

Nunca a sociedade foi tão bem descrita!

Muito tempo em casa, pouco para fazer apesar de estar em teletrabalho. Finalizei todas, ou atualizei, as séries que tinha e ainda vi duas novas séries, Watchmen e Elite. Duas séries diferentes, mas que recomendo darem uma oportunidade. Bem, vamos ao filme…

Não sou amante de filmes de terror, se vi três filmes de terror na minha conta da Netflix foi muito, em contrapartida já não posso dizer o mesmo de filmes e séries de ação, mas a Netflix recomendou-me com 98% de relevância o filme: The Platform, e decidi experimentar.

Chegado à Netflix a 20 de março, apesar do seu lançamento ter sido em 2019, logo no trailer se percebe que é um Thriller distópico e tem muito por onde ser nojento. Pois bem ambos são verdade.

O que dá nome ao filme é uma plataforma, que no filme é uma mesa, que atravessa várias celas de uma prisão vertical, denominada Buraco. O Buraco contém várias celas dispostas verticalmente e a mesa, uma plataforma, vai descendo com um belo e requintado banquete. Como já devem imaginar, conforme a mesa vai descendo menos comida vai sobrando – e aqui está um retrato quase perfeito a uma maioria da sociedade atual – acabando a mesa por chegar vazia aos níveis mais baixos desta prisão. Para equilibrar um pouco, todos os meses vão trocando de posições, quem está no primeiro nível no mês seguinte pode estar no último.  Mas aqui é que entra a verdadeira questão: se todos os níveis comessem apenas o necessário, havia comida suficiente para todos os níveis e as trocas de níveis seriam irrelevantes.

Associado à falta de comida que chega a níveis inferiores, reflete-se os valores éticos e morais dos que estão em níveis superiores. O filme mostra-nos pessoas a morrer, a matar, corpos abandonados, tudo e mais alguma, cada vez mais violento e nojento quanto mais se desce.

Como é hábito, não vou entrar muito por dentro do conteúdo da história porque gosto que descubram por vocês mas não se vão arrepender se gostarem de refletir de como um filme pode representar uma sociedade e este, principalmente nestes tempos que vivemos, mostrou-se ser muito exato e seja talvez a altura ideal para o ver.

The Platform

8

Nota final

8.0/10

Prós

  • • Todo o conceito bem conseguido

Contras

  • • Um pouco confuso em alguns momentos
  • • Algumas interpretações menos conseguidas
Previous post

Sharkoon Drakonia II [Rato gaming]

Next post

GETAC lança novo tablet ZX70

Paulo Castro

Paulo Castro

Cargo: 3D Print R&D
Naturalidade: Vila do Conde
Licenciado em Engenharia Mecânica pelo ISEP e com Grau de Mestre em Engenharia Mecânica, com especialização em Automação, na FEUP. Gosto de aprender coisas novas e por essa razão estou sempre à procura de algo novo para fazer. Tendo a oportunidade de adquirir uma impressora 3D não hesitei e desde então tenho explorado tudo este novo mundo.